Carta para a mulher que espera

Olá, minha irmã desconhecida! Como vai você? E a barriga?

Não sei se você é uma mulher de 30 anos no seu segundo filho ou uma adolescente de 14 encarando a primeira gestação, não sei se você quer ouvir “parabéns” pela nova vida, não sei se você acha que é um presente ou se ainda está digerindo a informação. Sei que pra umas é muito esperado e pra outras é muito difícil a espera e a aceitação, mas, sabe irmã, a gestação pode ser um período maravilhoso e ser mãe pode ser algo de muito lindo! As dificuldades nós já sabemos, eles nos contam todos os dias. A parte boa não vamos descobrir nas propagandas, nas revistas nem nas novelas, mas sim na vivência e em cada sorriso que nossos filhos nos derem, cada gargalhada gostosa e cada superação – nossa e deles.

Eu não sei se você ficou super feliz e só tinha que contar pro marido ou se chorou de tristeza e precisou, com muita dificuldade, contar para os pais. Qualquer que seja a sua situação e o que você está sentindo agora, saiba que você não está sozinha. Você vai ver, as pessoas não raramente nos julgam, apontam o dedo e nos criticam, mas é o susto da notícia, logo depois se tornam muito prestativas – algumas não tem jeito mesmo, mas a maioria vai se pôr ao seu lado. Acredite, todas temos medo no primeiro momento. Até as que desejam o bebê. A gestação é um caminho misterioso, é normal nos sentirmos desafiadas e com medo. Parece que só vem na hora errada, não é? Mas é o contrário. Com a gestação, o parto e a maternidade, a gente descobre exatamente o oposto: a natureza tem o tempo certo. Nem mais nem menos. Nós é que nem sempre sabemos qual é ou não sabemos ouvir, vamos descobrir mais tarde e nos pegamos pensando “acho que foi até melhor assim!”.

Não se desespere, ok? A caminhada é mais fácil quando aceitamos dar as mãos às outras pessoas que podem nos ajudar. Com apoio saltamos melhor aquela pedra no meio do caminho!

Eu quero te dizer uma coisa muito séria: estude! Não fique na primeira opinião! Tem profissionais bons e tem profissionais ruins por aí, eu não sei qual deles você vai encontrar. Mas você sempre pode pesquisar e buscar mais informações, não se limitar ao que ouve. Quero que você possa escolher como seu filho vai nascer. Não é médico, médica, enfermeiro(a), obstetra, parteira que vai fazer o seu parto: quem vai parir é você! O corpo é seu e a escolha também. Nós já somos enganadas em muitas outras coisas. O machismo já nos prejudica de muitas formas! Não precisamos sofrer também no parto, não precisamos que nos diminuam. Precisamos sim dar a nossa voz, nos fazer ouvir e fazer valer a nossa vontade.

Às vezes temos tanto medo do que é o parto… Para quem vai passar pela primeira vez e não sabe como é, pra quem já passou uma vez e foi um pesadelo… É muito difícil imaginar algo que não conhecemos! Nos filmes as mulheres gritam, nas novelas se desesperam, vemos notícia de gente que pariu na porta do hospital. Será que tem que ser assim?

Vou te contar algo que ninguém te contou: o parto pode ser muito lindo, muito mágico e uma experiência maravilhosa pra você. Não precisa ser dor e medo, pode ser amor e respeito! Pode ser uma memória pra guardar num álbum de fotos e sentir saudades quando lembrar, chorar quando ver e mostrar pra família. Pode ser em casa, na piscina, pode ser no hospital, pode ser até que nasça no carro, a caminho de algum lugar… O importante é que seja com amor, com segurança, com respeito ao seu corpo e ao seu bebê. Com respeito às suas escolhas.

Mas pra gente escolher, a gente tem que saber, não é? Não podemos escolher entre amarelo e azul se não sabemos que o azul existe. Histórias ruins todo mundo já ouviu, não é hora de você ouvir essas coisas! Se cerque de coisas boas, de gente positiva, de histórias inspiradoras. Cerque seu bebê de amor e sua mente de positividade. De otimismo! Leia bastante: o que dizem as pesquisas sobre isso? O que eu ganho e o que eu perco com este ou aquele? Quando você ler tudo que pode ler, pare e reflita. Tire suas conclusões a respeito. Pense no que gostaria de fazer, no esforço que precisa fazer, de que ajuda precisa, o que é melhor pra vocês e o que se encaixa com sua personalidade, sua vontade, o parto que você imaginou. Não desista porque alguém te disse que não consegue! Não consegue por quê?

Irmã, eu sou apologista do parto natural. Isso quer dizer que acredito que o meu corpo e o seu estão naturalmente preparados para dar à luz sem precisar de remédios ou equipamentos. Que nosso corpo é preparado pela natureza perfeita para saber o que fazer, na hora que deve fazer, como Jesus nasceu há mais de dois mil anos atrás. Como Maria pariu há mais de dois mil anos atrás. Vai chegar o momento do bebê e o meu corpo vai entrar em ação, independente do meu medo. Por isso eu preciso pesquisar, por isso eu preciso conhece-lo: se ele sabe o que fazer e eu não, eu preciso saber o que vai acontecer para poder entender o que está acontecendo comigo. Eu acredito que nosso corpo não precisa de injeção para parir, nem de hormônios sintéticos para fazer força. Eu acredito que nosso corpo não precisa ser apressado para o bebê nascer mais rápido. Quando foi a minha vez, eu quis que meu filho tivesse todo o tempo do mundo, o tempo dele, o tempo necessário para nascer. Esperei e confiei. Ele nasceu em casa, perfeito e saudável. Lindo, direto pros meus braços, ainda ligado a mim pelo cordão umbilical, nossa conexão natural, espiritual. Irmã, eu acredito que você consegue também! Não acredito em roteiristas de novelas e em homens que falam que a dor é insuportável, eles nunca sentiram e nunca vão parir! E vou te dizer: a dor não é ruim, nem é contínua. Ela é boa, porque traz nossos bebês, o amor das nossas vidas. E cada contração não é uma a mais, mas uma a menos! Uma mais perto de conhecer o rosto da nossa criança esperada! Mostra que somos capazes. Que somos o sexo forte! A dor nos diz: aqui você morre menina e renasce mulher-mãe, é o seu ritual de passagem.

Mas, olha, irmã, não quero que você ache que por isso eu sou contra a cirurgia para tirar o bebê da barriga. A cesárea. Não sou! Acho um procedimento um tanto mais frio e mais complicado, envolve riscos como toda cirurgia, você sabe. Mas às vezes ela é muito necessária! Às vezes não nos preparamos pra ela, mas precisamos dela! É uma questão de vida, para salvar o bebê. Por algum motivo que nos foge do controle, ela é preciso. E espero que você também entenda isso, não se sinta mal se precisar. Recorra a ela, se necessário. Não pense duas vezes caso precise. Mas espero que você se informequando de fato precisa. PORÉM, é seu direito se, mesmo sem precisar, quiser passar por ela. O corpo é seu, irmã, você deve escolher. Sei que fará o melhor pra si e seu filho e não é direito de ninguém te julgar por isso! Sua autonomia como mulher e mãe deve ser respeitada. Acima de tudo: sempre se informe, irmã! Escolha consciente e ninguém poderá te questionar, pois você estará certa do que escolheu!

Eu falei demais, não é? Falei demais, mas é porque eu sei que é um momento importante pra você. Talvez pro hospital seja mais uma criança e mais uma gestante, mas pra você não é. Cada filho é único, cada momento é importante, cada segundo é seu. Deve ser vivido. E eu espero que você aproveite com todas as forças e que isso seja pra sempre uma lembrança boa na sua vida.

O dia que seu filho nasceu. O dia que você nasceu como mãe.

Irmã, quem decide sua vida é você. E eu espero que você possa decidir tudo muito bem apoiada, informada e consciente. Não deixe seu parto ser roubado pelo medo. E conte comigo pra isso, vamos juntas nessa caminhada, porque eu também conheci a dor, o amor e o prazer de gestar, parir e ser mãe.

Um abraço muito apertado e muitas boas vibrações para seu novo caminho!

Alineimages

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *