Imprevisibilidade do parto

Créditos: Blogspot Bibliografia da Doula
Créditos: Blogspot Bibliografia da Doula

Algumas mulheres começam a dilatar antes de entrar em trabalho de parto ativo, outras só depois que as contrações ritmadas começam. Algumas mulheres têm as contrações em intervalos de tempo bem marcados (de 30 em 30, de 10 em 10, de 5 em 5, de 3 em 3…), outras não têm nenhum ritmo ou frequência previsível. Algumas vezes, o trabalho de parto começa quando a bolsa estoura, mas há aquelas em que a bolsa não estoura de uma vez, mas vaza aos poucos (bolsa rota) e há quem passe o trabalho de parto todo sem a bolsa estourar. Há quem termine o expulsivo sem estourar a bolsa e aí nascem os lindos bebês empelicados, envoltos na bolsa amniótica como se protegidos por uma bolha mágica.

Algumas mulheres sentem muita dor, outras mulheres nem sabiam que estavam para dar à luz. Algumas mulheres ficam caladas, introspectivas, vivem o parto pra dentro. Outras vocalizam, murmuram, sussurram, gemem, gritam! Vivem o parto pra fora. Algumas mulheres reclamam, algumas mulheres acham graça. Algumas mulheres choram, outras mulheres riem. Algumas mulheres abraçam a dor, outras só se sentem aliviadas quando ela passa.

Algumas mulheres vão parir deitadas por não poder escolher. Mas, quando podem escolher, não há como saber: vão parir sentadas, deitadas, em pé, de cócoras, penduradas, de joelhos, de quatro ou em posições assimétricas que elas mesmas escolhem. Ou melhor, que o corpo escolhe no momento.

Algumas mulheres vão chorar no expulsivo, mas há aquelas que vão gozar com o corpo. Algumas mulheres vão gritar no expulsivo, outras vão absorver o silêncio. E todas as mulheres vão sorrir quando virem seus bebês nos braços.

Algumas mulheres vão ouvir histórias de que deviam dilatar 1 centímetro por hora, embora haja mulheres que dilatem 10cm em 1hr, ou 5cm em 10hs e outros 5cm em 2hs. Algumas mulheres vão ouvir histórias de que só dá pra esperar até o dia X. Mas também ouvirão que o parto de outras mulheres já durou mais que dia X, quase 3 ou 4 dias, quase metade do alfabeto.

As mulheres vão ouvir muitas histórias tentando enquadrar o nascimento dentro do controle do relógio e do calendário. E vão ficar ansiosas ou com medo. E todas as mulheres não deviam, sequer, dar ouvidos. A natureza não acontece em segundos, minutos ou horas, nem mesmo em dias: ela simplesmente acontece. O parto é um evento acima do tempo, perdido no tempo, num fluxo de existência. Se dá no espaço de tempo que precisa e que tem que ser: do corpo, da mãe e do bebê. A vida não tem tempo como um produto com data de fabricação e validade, como uma mercadoria com data prevista de uso ou uma máquina programada. Ela existe fora do nosso controle, escapando por nossos dedos e é essa a parte mais bonita da nossa existência: a existência indomável.

Ao invés de temer, aproveitemos. Ao invés de ansiar, vivamos. O parto acontece e é imprevisível, porque é a vinda de uma nova vida… a seu tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *